Gestão do Desenvolvimento e Administração Política

Rômulo Cristaldo

Resumen


Este ensaio tem por objetivo debater a contribuição da noção de administração política para o entendimento da gestão do desenvolvimento. Os métodos empregados foram a revisão de literatura e a discussão argumentativa-dedutiva. A administração política é uma proposta teórica surgida na Escola da Administração da Universidade Federal da Bahia, Brasil, a partir da premissa de que as categorias de gestão e administração poderiam ser empregadas para analisar aspectos macroestruturantes das sociedades capitalistas. Neste trabalho, parte-se do entendimento de que o desenvolvimento é a face aparente, o fenômeno que representa a dinâmica do capital. Dessa maneira, o desenvolvimento a partir da ação do Estado teria como objetivo principal e mais importante assistir aos processos de valorização e acumulação de capital. A lógica do desenvolvimento conformaria um conjunto de pressupostos de gestão e institucionalidades, resultantes da disputa de poder e interesses a partir das classes e frações de classe. Por conseguinte, se encontra organicamente enraizada na sociabilidade capitalista, representando suas fissuras e contradições.

Palabras clave


Desenvolvimento. Estado. Administração Política. Capitalismo

Citas


Aguiar, D., & Santos, J. F. dos. (2019). Fim de ciclo dos governos “pós-neoliberais” na América Latina? Uma análise do caso boliviano. Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, 13(2), 53-80. https://orcid.org/0000-0003-4996-0275

Amaro, R. R. (2017). Desenvolvimento ou pós-desenvolvimento? des-envolvimento e... no flay! Cadernos de Estudos Africanos, 34, 75-111. https://doi.org/10.4000/cea.2335

Arrighi, G. (1996). O Longo Século XX: Dinheiro, Poder e as Origens de Nosso Tempo. Rio de Janeiro: Contraponto; São Paulo: Editora Unesp.

Baran, P., & Sweezy, P. (1966). Monopoly Capital: an Essay on the American Economic and Social Order. New York, US ; London, UK: Modern Reader Paperbacks.

Chang, H.-J. (2010). Kicking away the ladder: infant industry promotion in historical perspective. Oxford Development Studies, 31(1), 21-32. https://doi.org/10.1080/1360081032000047168

Chesnais, F. (2016). Finance Capital Today: Corporations and Banks in the Lasting Global Slump. Boston: Brill Academic Pub.

Cristaldo, R. C. (2015). Subdesenvolvimento, integração e administração política no pensamento de Raúl Prebisch e Celso Furtado. Revista Brasileira de Administração Política, 8(1), 85-110. https://portalseer.ufba.br/index.php/rebap/article/view/17208/11319

Cristaldo, R. C. (2020) Administração política e os estudos organizacionais. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 7(1), 34-75. https://doi.org/10.21583/2447-4851.rbeo.2020.v7n1.377

Cristaldo, R. C., Ribeiro, M. M., & Pessina, M. E. H. (2017). Administração política e novo desenvolvimentismo: alternativas ou continuidade? Farol — Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 4(10), 600-662. https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/3923

Cristaldo, R. C., Senna, J. R., de & Matos, L. S. (2018). The founding narratives of the myth of economic development and the Brazilian neo-developmentalism. Brazilian Journal of Public Administration, 52(3), 527-553. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612169612

Dardot, P., & Laval, C. (2015). A Nova Razão do Mundo: Ensaio sobre a Sociedade Neoliberal. São Paulo: Boitempo.

Escobar, A. (1995). Encountering Development: the Making and Unmaking of the Third World. Princeton, New Jersey: Princeton University Press.

Evans, P. (2007). Instituciones y Desarrollo en la Era de la Globalización Neoliberal (C. F. M. de S. Ravina, Trans.). Bogotá, Colombia: ILSA.

Fontes, V. (2010). O Brasil e o Capital-Imperialismo: Teoria e História. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Furtado, C. (2020). The Myth of Economic Development (J. B. Jones, Trans.). Cambridge, UK: Polity.

Harvey. D. (2017). 17 Contradições e o Fim do Capitalismo (R. Bertoni, Trans.). São Paulo: Boitempo.

Hearn, D., & Tepper, J.. (2019). The Myth of Capitalism: Monopolies and the Death of Competition. New York, US: John Wiley & Sons.

Hirsch, J. (2005). Materialistische Staatstheorie: Transformationsprozesse des Kapitalistischen Staatensystems. Hamburg, Alemanha: VSA-Verlag.

Horner, R., & Hulme, D. (2019). From international to global development: new geographies of 21st century development. Development and Change, 52(2), 347-378. https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/dech.12379 Jessop, B. (2016). The State: Past, Present, Future. Cambridge, UK: Polity.

Klikauer, T. (2013). Managerialism: a Critique of an Ideology. New York, EUA: Palgrave MacMillan.

Mahbubani, K. (2013). The Great Convergence: Asia, the West, and the Logic of the World. New York: Public Affairs.

Nelson, R. R. (Eds.). (1993). National Innovation Systems: a Comparative Analysis. Oxford, UK: Oxford University Press.

North, D. C. (2003). The role of institutions in economic development. Discussion Paper Series of United Nations Economic Commission for Europe, 2.

Paço Cunha, E. (2019). Centralidade da gestão do Estado como limite da razão política ou para uma crítica da administração política. Revista Eletrônica de Administração, 25(2), 150-178. http://dx.doi.org/10.1590/1413-2311.237.809126

Peet, R., & Hartwick, E. (2015). Theoris of Development: Contentions, Arguments, Alternatives (3.ed.). New York, US: The Guilford Press.

Queiroz, H. A. de (2015). Administração política e Guerreiro Ramos: epistemologia e método. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 2(2), 263-287. https://doi.org/10.21583/2447-4851.rbeo.2015.v2n2.56

Santos, T. dos. (2016). Desenvolvimento e Civilização. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Terra, F. H. B., Ferrari Filho, F., & Fonseca, P. C. D. (2020). Keynes on State and economic development. Review of Political Economy, 32(3). https://doi.org/10.1080/09538259.2020.1823072

Williamson, O. E. (1985). The Economic Institutions of Capitalism: Firms, Markets, Relational Contractin. New York, US: The Free Press.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


INDEXADA EN:

 

ISSN IMPRESO:          2225-5117

ISSN ELECTRÓNICO: 2226-4000

 

Dirección de Investigación y Postgrados. Universidad Autónoma de Asunción.
6to. Piso. Sede Central Jejui e/ O´Leary y 15 de Agosto. Asunción-Paraguay.
Tél: 595 21 495873. E-mail: informacion.cientifica@uaa.edu.py