Políticas de cotas no acesso ao ensino superior: percepção de professores e estudantes da Universidade de Pernambuco- Brasil

Paulo Sérgio Alves de Paiva, Luis Ortiz Jiménez

Resumen


Este estudo teve como objeto de pesquisa: conhecer a opinião dos professores e estudantes dos cursos de enfermagem e medicina da UPE, sobre as implicações da política de cotas como forma de acesso ao ensino superior nas universidades públicas. Trata-se de uma pesquisa descritiva, quantitativa e qualitativa. A coleta de dados deu-se através do levantamento de bibliografía específica e aplicação de dois questionários com perguntas fechadas de múltipla escolha. Identificou-se que a maioria dos estudantes é favorável às cotas como instrumento de transformação e ascensão social e diminuição das desigualdades historicamente construídas no Brasil, e que em seu entendimento, não há preconceito ou estigmatização no âmbito universitário. No entanto, ressaltaram que é necessário maior investimento no ensino básico para que a curto prazo não seja mais necessário a adoção das cotas e também mostraram-se preocupados em relação à falta de assistência para a permanência dos alunos cotistas na instituição. Diferentemente destes, os professores mostraram-se favoráveis às cotas apenas em alguns pontos, em outros, relacionados à meritocracia, à estigmatização e o preconceito para com os cotistas  como o desempenho e redução do nível acadêmico da universidade por conta da adoção das cotas,foi evidenciado que a maioria destes posicionou-se contrário à adoção das cotas. Espera-se contribuir para o melhor entendimento sobre o tema e estimular o aprimoramento das políticas de cotas.

Palabras clave


Política de cotas; Cotas; ações afirmativas; sistema de cotas; ensino superior

Citas


Andrade, F. (2007). O Movimento estudantil e as cotas na universidade de Pernambuco: uma breve reflexão. Movimentos juvenis na contemporaneidade.

Andrade, F. (2012). Classe, Raça e Ação Afirmativa: A política de inclusão social numa Universidade Pública de Pernambuco. Tese de Doutorado em Sociologia. São Paulo.

Alvarenga, E. (2012) Metodologia da Investigação quantitativa e qualitativa: normas técnicas de apresentação de trabalhos científicos. 2ª Ed.1° Reimpresion Versão em português: César Amarilhas.

Brandão, C. (2005). As cotas na universidade pública brasileira: será esse o caminho?

Campinas: Autores Associados. v. 92. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo).

Brasil. Lei Nº12.711/2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília – Distrito Federal. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011- 2014/2012/lei/l12711.htm

Brasil. Projeto de Lei Nº 3627/2004. Institui Sistema Especial de Reserva de Vagas para estudantes egressos de escolas públicas, em especial negros e indígenas, nas instituições públicas federais de educação superior e dá outras providências. Brasília – Distrito Federal. Disponível em: http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/Projetos/PL/2004/msg233-040513.htm

Campos, M..; Fragoso, A. (2016). Desempenho acadêmico dos alunos cotistas da Universidade de Pernambuco – campus Santo Amaro. ANDES-SN -janeiro.

Frazão, T.(2007). Análise crítica do discurso sobre a implantação do sistema de cotas em universidades públicas brasileiras. Recife, PE. Dissertação de mestrado. Universidade Católica de Pernambuco, 167 p.

Guimarães, A. (2008). Preconceito racial: modos, temas e tempos. São Paulo- Ed.

Cortez.

Henriques, R.; Cavalleiro, E. (2005). Ações Afirmativas e Combate ao Racismo nas Américas. Sales Augusto dos Santos (Org). In: Educação e Políticas Públicas Afirmativas: elementos da agenda do Ministério da Educação – Brasília: Ministério da Educação : UNESCO.

Marcon, F. e Subrinho, J. (2010). Ações afirmativas e políticas inclusivas no ensino e público superior: a experiência da Universidade Federal de Sergipe - São Cristóvão: Editora UFS.

Moehlecke, S. (2002). Ação afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de pesquisa, 117(11),197-217.

Piovesan, F. (2008). Ações afirmativas no Brasil: desafios e perspectivas. Estudos Feminista. Florianópolis, 16(3), 887-896.

Resolução CNS Nº466/12 Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Silva, P.(2012). Representações sociais de estudantes universitários sobre cotas na universidade. Fractal, Rev. Psicol., v. 24 – n. 3, p. 525-542, Set./Dez.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Dirección de Investigación y Proyectos
Universidad Autónoma de Asunción

Jejui 667 entre O´Leary y 15 de Agosto