A literatura infantil como recurso lúdico para a aprendizagem

Edenildes Damasceno de Santana

Resumen


Nos últimos anos a literatura infantil tem sido objeto de pesquisas como um elemento que aproxima a criança ao processo de aprendizagem. Desta forma, os principais fatores que se busca é a compreensão de que a literatura infantil estimula a leitura e a escrita. Neste sentido, o objetivo desta pesquisa foi: Descrever a importância dos contos de fadas na educação infantil, possibilitando assim o aprendizado da literatura visual através das imagens. Para o desenvolvimento da pesquisa foi utilizado como método de pesquisa o estudo de caso, o desenho metodológico foi não experimental, descritivo, de corte transversal e enfoque misto e como instrumento a aplicação de questionários aos pais e professores da escola para se ter o conhecimento sobre o pensamento dos mesmos em relação a literatura infantil como forma de desenvolver o processo de ensino e aprendizagem. Ao longo da pesquisa foi possível perceber que os contos de fadas possibilita a oportunidade de desenvolvimento e aprendizagem da criança, uma vez que durante esse processo a criança experimenta, bem como descobre, exercita, inventa e aprende com mais facilidade, diante disto, é possível dizer que a criança encontra nos contos uma forma de realização de seus desejos reprimidos, através do fantástico, do jogo livre da fantasia: desta maneira ela se realiza, superando as limitações que tem como criança, libertando-se.


Palabras clave


Ludicidade; Contos de Fadas; Aprendizado

Citas


Antunes, C. (2004) Educação infantil: prioridade imprescindível 4ª ed. Petrópolis – RJ:

Vozes.

Brasil. (1988) Constituição da República Federativa do Brasil: de 05 de outubro de 1988 e

alterações. Brasília.

Brogere, G. (1997) Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez.

Fernandez, A. (2001) Psicopedagogia em psicodrama: morando no brincar. Petrópolis:

Vozes.

Freyre, G. (1963) Casa Grande & Senzala. Brasília: ed. Universidade de Brasília.

Haetinger, M. G. (2006) Jogos, recreação e lazer. 2ª ed. Curitiba: IESDE Brasil S.A

Huizinga, J. (1993) Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva.

Kishimoto, T. M. (1999) Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação 3ª ed. São Paulo: Cortez.

Kishimoto, T. M. (2001) Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 3ª ed. São Paulo: Cortez.

Kishimoto, T. M. (1993) Jogos infantis; o jogo, a criança e a educação 3ª ed. São Paulo: Cortez.

La taille, Y. (1992) Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão 21ª ed. São Paulo: Summus.

Libâneo, J. C., Ferreira, J. e Seabra, M. (2003) Educação Escolar: política, estrutura e organização. São Paulo: Cortez.

Lima, E. S. (2002) A criança pequena e suas linguagens. São Paulo: Sobradinho.

Luckesi, C. C. (1988) Desenvolvimento dos estados de consciência e ludicidade.

Cadernos de Pesquisa / Núcleo de Filosofia e História da Educação. v. 2, n. 1 Salvador: UFBA

Oliveira, Z. R. (2007) Educação Infantil: fundamentos e métodos. 3ª ed. São Paulo: Cortez.

Pereira, M. S. C. (2002) A descoberta da criança: introdução à educação infantil.

Rio de Janeiro, Wak.

Piaget, J. (1990) A formação do símbolo na criança. Imitação, jogo e sonho, imagem e

representação. Rio de Janeiro: LTC.

Rego, T. C. (1995) Vygotsky: um perspectivo histórico cultural da educação 10ª

ed. Petrópolis-RJ: Vozes.

Rizzo, G. (2003) Creche: organização, currículo, montagem e funcionamento. Rio de

Janeiro: Bertrand Brasil.

Silva, D. V. (2007) Ludicidade e psicomotricidade. 1º ed. Curitiba; Iesde Brasil

S/A.

Vygotsky, L. S. (2007) A formação social da mente: desenvolvimento dos

processos psicológicos superiores 7 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Winicott, D. W. (1975) O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Dirección de Investigación y Proyectos
Universidad Autónoma de Asunción

Jejui 667 entre O´Leary y 15 de Agosto