Inteligência emocional na sala de aula como estratégia de aprendizado para alunos do ensino médio: um estudo de caso no Colegio Estadual São João Bosco – Pato Branco, Paraná, Brasil

Maristela Bertolin Constante

Resumen


O presente estudo teve por objetivo analisar se os professores do Ensino Médio do Colégio  Estadual São João Bosco – Pato Branco-Paraná, Brasil sabem lidar com as emoções (raiva; tristeza, medo e alegrias) dos alunos. A metodologia empregada consistiu em estudo de caso, cujo instrumento de coleta de dados deu-se através de documentos interno da escola e entrevista semi-estruturada com nove professores. A partir das entrevistas foi possível concluir que em parte os professores sabem reconhecer as emoções dos alunos fator este que corrobora para um ambiente educacional mais favorável. A Escola Colégio Estadual São João Bosco apesar de não ter explícita no seu currículo preocupação com a Inteligência Emocional, de certo modo, tenta educar as emoções dos seus alunos. No entanto, de uma maneira isolado sem haver uma interdisciplinaridade que envolva outros educadores da escola. Desta forma, evidencia-se que o conhecimento das emoções que são percebidas e tratadas pelo professor, oferece a estes alunos uma sensação de confiança tornando possível um melhor enfrentamento das dificuldades não só emocionais, mas, também no que se refere à aprendizagem com melhores possibilidades de superação. A partir dessas conclusões, evidencia-se a necessidade de garantir o papel e o lugar da Inteligência Emocional, incluindo-a no Currículo do Colégio Estadual São João Bosco / Projeto Pedagógico - para se promover a ampliação do nível de ensino/aprendizagem.


Palabras clave


Educação; inteligência emocional; escola; adolescentes

Citas


Agüera, L. (2008). Além da inteligência emocional. As cinco dimensões da mente. - São Paulo. Cengage learning.

Barreto, J. e Silva, L. (2010). Sistema límbico e as emoções – uma revisão anatômica. Revista Neurociencia 2010;18(3):386-394. Recuperado de: . Acesso em: 02 fev. 2017.

Bar-On, R. e Parker, J. (2002). Manual de inteligência emocional: teoria e aplicação em casa na escola e no trabalho. - Porto Alegre. Artemed.

Berger, L. (2009). Estudo do emprego de técnicas da análise transacional e da programação neurolínguística na melhoria da comunicação pessoal e organizacional. 250 fl. Mestrado (dissertação) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de produção da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Cury, A. (1995). Inteligência socioemocional. - São Paulo. Editora escola da inteligência.

Gil, A. (2002). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. - São Paulo. Atlas.

Costa, P. (2012). A memória e a sua influência no processo de aprendizagem. (2012). Recuperado de http://www.webartigos.com/artigos/a-memoria-e-a-sua-influencia-no-processo-de-aprendizagem/83381/.

Kripka, R. (2013). A influência da inteligência emocional no trabalho docente. Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática. Curitiba – Paraná, 18 a 21 de julho de 2013. Recuperado de: http://sbem.web1471.kinghost.net/anais/xienem/pdf/1653_306_ID.pdf.

Goleman, D. (1995). O cérebro e a inteligência emocional: novas perspectivas. - Rio de Janeiro. Objetiva.

Goleman, D. (2014). Foco: a atenção e seu papel fundamental para o sucesso. - Rio de Janeiro. Objetiva.

Goleman, D. (2011). Inteligência emocional. Tradução Marcos Santarrita. - Rio de Janeiro. Objetiva.

Goleman, D. (1995). Inteligência Emocional: teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. Rio de Janeiro: Objetiva. Recuperado de www.entrevistas.com editora Objetiva.

Goleman, D. (2001). Inteligência Emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. Tradução de Ana Schuquer. - Rio de Janeiro. Objetiva.

LeDoux, J. (10 fevereiro de 2017). Emoção, memória e cérebro. Recuperado de http://www.methodus.com.br/artigo/263/emocao-memoria-e-o-cerebro.html.

Lombroso, P. (4 setembro. 2004). Aprendizado e memória. Revista Brasileira de psiquiatria. v. 26, n. 3.

Machado, Â. (5 março de 2004). Áreas encefálicas relacionadas com as emoções: o sistema límbico. Recuperado de http://www.psiquiatriageral.com.br/cerebro/emocoes.htm

Mayer, J. y Salovey, P. (2007). ¿Qué es la inteligencia emocional? In J. M. M., Navas, & P. F, Berrocal. (Coord.). Manual de inteligencia emocional. (pp. 25-45). Madrid: Anaya.

Maldonato, M. e Olivero A. (2012). O fascínio da memória. Recuperado de http://www2.uol.com.br/sciam/artigos/o_fascinio_da_memoria_3.html.

Marconi, M. e Lakatos E. (2001). Técnicas de pesquisa. - São Paulo. Atlas.

Negreli J, (16 de março de 2017). A revolução das emoções. Recuperado de http://www.sbneurociencia.com.br/drneil/artigo7.htm

Parolin, I. (2007). As emoções como mediadoras da aprendizagem. Recuperado de http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2007/anaisEvento/arquivos/PA-534-05.pdf.

Rêgo C, e Rocha, N. (janeiro a março de 2009). Avaliando a educação emocional: subsídios para um repensar da sala de aula. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 17, n. 62, p. 135-152.

Roesch, S. (2006). Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 2. ed. - São Paulo. Atlas.

Santos, J. (2000). Educação emocional na escola: a emoção na sala de aula. -Salvador: Faculdade Castro Alves.

Silva, L., Damaceno, A.; Martins, M.; Sobral K. (26 a 29 de outubro de 2009). Pesquisa documental: alternativa investigativa na formação docente. IX Congresso Nacional de educação EDUCERE. III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia – PUCPR.

Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional. (2015). Como escolas podem estimular a Inteligência Emocional de seus alunos. Recuperado de http://www.sbie.com.br/blog/como-escolas-podem-estimular-a-inteligencia-emocional-de-seus-alunos/.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Dirección de Investigación y Proyectos
Universidad Autónoma de Asunción

Jejui 667 entre O´Leary y 15 de Agosto