Análises de caso: Brincadeiras no processo de ensino na escola Municipal Corujinha Feliz, na cidade de Porto Seguro – Brasil 2017

Ana Paula Lima da Silva

Resumen


O presente estudo com o tema Ludicidade e Aprendizagem abordou se a falta de compreensão da família acerca da importância do brincar, interferem nas aulas práticas de atividades lúdicas no processo aprendizagem. Para tanto, fez-se necessário a aplicação de questionários e também observação participante das turmas de educação infantil da Escola Municipal Corujinha Feliz. Foi percebido que as professoras não resistem as práticas lúdicas devido a cobrança dos pais em atividades escritas, mas a partir da observação participante das turmas, verificou-se que, as professoras que lecionam o Pré I (alunos de 04 anos) como regentes, utilizam brincadeiras em suas aulas práticas, no entanto, as professoras regentes que lecionam o Pré II (alunos de 05 anos), dão relevancia ao brincar, no entanto, em nenhuma turma não utiliza brincadeiras em sala de aula para alcançar aprendizagem. Constatou-se que há pouca colaboração dos pais em atividades que envolvem o brincar e que pais que possuem nível menor de escolaridade dão maior relevância ao brincar do seus filhos comparado aos pais que possuem um grau de escolaridade mais avançado.


Palabras clave


Brincadeira; aprendizado; infância; relevância; pais

Citas


Aguiar, J. (2004). Educação inclusiva: jogos para o ensino de conceitos. Campinas: Papirus.

Almeida, A. (1992) O lúdico e a construção do conhecimento: uma proposta pedagógica construtivista. São Paulo: Departamento de Educação.

Brougère, G. (2011) A Criança e a Cultura Lúdica. In: KISHIMOTO, T.M. (org.). O brincar e suas teorias. 6.ed. São Paulo: Cengage Learning.

Carvalho, A.; Magalhães, C.; Pontes, F.; Bichara, I. (2003) (Ed.). Brincadeira e cultura: Viajando pelo Brasil que brinca. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Froebel, F. (2001) A educação do homem. Passo Fundo: UPF.

Gutfreind, C. (2011) O brincar e a subjetividade. Pátio – Educação Infantil, n. 27, p. 20-23.

Kishimoto, T. (2003) Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 5. ed. São Paulo: Cortez.

Lima, V. (2001) Precicidade do processo de alfabetização: Considerações acerca da prontidão da infância. Revista Psicologia, Ciência e Profissão. Ano 21, n.2. p. 28-35.

Macedo, L. (2004) Faz-de-conta na escola: a importância do brincar. Revista Pátio, Porto Alegre, p. 10, dez. 2003/ mar.

Oliveira, Z. (2002) Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, Sampieri. R. (2014) Metodologia de la investigación. México: Interamericana Editores.

Vygotsky, L. (1996) O papel social do brinquedo no desenvolvimento. In: A formação social da mente. 6ª Ed. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. (2007) a formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Dirección de Investigación y Proyectos
Universidad Autónoma de Asunción

Jejui 667 entre O´Leary y 15 de Agosto