Da história ao currículo mínimo da EJA: contradições e possibilidades

Dayse Aparecida dos Santos Azevedo

Resumen


A Educação de Jovens e Adultos (EJA) como modalidade de ensino que surge no Brasil, com a função social de suprir a escolaridade regular, que foi interrompida no momento em que este sujeito – aluno abandona a escola por motivos variados. Ao abordarmos questões teóricas e práticas que desencadearam desde o ínicio da EJA no Brasil e que perpassa no currículo, buscamos refletir sobre a prática docente, as possibilidades e contradições do currículo seguido e determinado pela Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro. Por fim, apresentaremos possibilidades para o currículo da EJA, em conformidade com as concepções humanísticas de educação que sempre foram defendidas por Paulo Freire e com as Diretrizes Nacionais para Educação de Jovens e Adultos.

Palabras clave


Educação de Jovens e Adultos; Currículo; Prática docente

Citas


Apple, M. (1996). Políticas culturais e educação. 1. ed. Porto: Porto Editora.

Bourdieu, P.; Passeron, J. (1981). Aparelhos ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Bourdieu, P. (1992). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva.

Brasil. (1996). Lei de diretrizes e bases da educação. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Recuperado de .

Brasil. MEC, Ministério da Educação e Cultura. (2007). PROEJA, (Programação Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos) Documento Base. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica.

Brasil. MEC, Ministério da Educação e Cultura. (2006). Decreto nº 5.840, de 13 de julho de 2006. Institui, no âmbito federal, o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - PROEJA, e dá outras providências. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil, Brasília. Recuperado de .

Costa, J. (2008). Os alunos da EJA: cultura e saberes: Belo Horizonte: Laboratório de currículo da UFMG.

Cury, A. (2000). Organização & métodos: uma visão holística. São Paulo: Atlas, 7a ed, 589p.

Di Pierro, M. (2010). Balanço e desafios das políticas públicas de educação de jovens e adultos no Brasil. In: SOARES, L. et al. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, p. 27-43.

Di Pierro, M.; Haddad, S. (2000). Contribuições para uma avaliação da década da Educação para todos. São Paulo: Ação Educativa.

Di Pierro, M. (2005). Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas públicas de educação de jovens e adultos no Brasil. In: Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 1115-1139.

Di Pierro, M.; Graciano, M. (2003). A educação de Jovens e Adultos no Brasil. Informe apresentado à Oficina Regional da UNESCO para América Latina y Caribe. São Paulo: Ação Educativa.

Di Pierro, M.; Joia, O.; Ribeiro, V. (2001). Visões da educação de jovens e adultos no Brasil. Cadernos CEDES, 21(55), 58-77. Recuperado em: .

Friedrich, M.; Benite, A.; Benite, C.; Pereira, V. (2010). Trajetória da escolarização de jovens e adultos no Brasil: de plataformas de governo a propostas pedagógicas esvaziadas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas Educacionais, 18(67), 389-410. Recuperado em: < http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v18n67/a11v1867>.

Freire, P. (1999). Educação como prática da Liberdade. 23. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1989). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Forquin, J. (1996). As abordagens sociológicas do currículo: orientações teóricas e perspectivas de pesquisa. In: Educação e Realidade. Porto Alegre: vol.21, n.1, p.186-98, jan./fev.

Gadotti, M.; Romão. J. (1999). Educação de jovens e adultos. São Paulo: Cortez.

Gadotti, M. (2001). Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. São Paulo: Cortez.

Gadotti, M. (2002). Escola cidadã, cidade educadora: projetos e práticas em processo. In: conzatti, Marli; Flores, Maria Luiza R.; Toledo, Leslie (Org.). Da escola cidadã à cidade educadora: a experiência de Porto Alegre. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Educação. p. 11-17.

Haddad, S. (2008). Tendências atuais na educação de jovens e adultos. Em Aberto, 11(56).

Haddad, S.; Di Pierro, M. (2000). Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 14, p. 108-130, mai. /ago.

Hernández, F. (1998). Transgressão e mudança na educação os projetos de trabalho. Trad. Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: ArtMed.

Manfredi, S. (1981). Política e Educação Popular, 2. ed. São Paulo: Cortez.

Medeiros, M. (1999). A Formação dos Professores para EJA. Palma de Maioria. Dissertação de Mestrado.

Medeiros, C.; Manhães, F.; Kauark, F. (2010). Metodologia da pesquisa: guia prático. Itabuna: Via Litterarum.

Moreira, A.; Silva, T. (Orgs.). (1992). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez.

Moreira, A. & Silva, T. (Orgs.). (2002). Cultura popular e pedagogia crítica: a vida cotidiana com base para o conhecimento curricular. In: Currículo, cultura e sociedade. 7ª Ed. São Paulo: Cortez.

Moura, D. (2006). O Proeja e a rede federal de educação profissional e tecnológica.In. EJA: formação técnica integrada ao Ensino Médio. MEC, Programa Salto para o futuro. Boletim 16, set. 2006, p. 61-75.

Oliveira, I. (2004). Princípios Pedagógicos na Educação de Jovens e Adultos. In: Revista da Alfabetização Solidária, v.4, n.4, São Paulo: Unimarco.

Paiva, J. et. al. (2004). Educação de jovens e adultos: uma memória contemporânea. UNESCO.

Paiva, J. (2006). Histórico de educação de jovens e adultos no Brasil: descontinuidades e políticas públicas insuficientes. In: Secretaria de Educação a Distância/MEC Educação de Jovens e Adultos: formação técnica integrada ao ensino médio. Boletim n.16, Programa Salto para o Futuro. Rio de Janeiro.

Ribeiro, V. (1997). Educação de Jovens e Adultos: proposta curricular para o primeiro segmento do Ensino Fundamental. São Paulo: MEC/Ação Educativa: Brasília/ DF.

Sacristán, G. (2000). Currículo. Porto Alegre: Artmed.

Sacristán, G., Pérez, A. (1998). Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Trad. Ernani da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas.

Saviani, D. (1992). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 3 ed. São Paulo: Cortez/Autores Associados.

Soares, L. et.al (org) . (2009) . Formação de educadores: a habilitação da EJA nos Cursos de Pedagogia. Belo Horizonte: Autêntica.

Stephanou, M.; Bastos, M. (org). (2005). Histórias e memórias da educação no Brasil. RJ, Petrópolis: Vozes.

Strelhow, T. (2010). Breve história sobre a educação de jovens e adultos no Brasil. Revista HISTEDBR on-line, 10(38). Recuperado em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/38/art05_38.pdf.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Dirección de Investigación y Proyectos
Universidad Autónoma de Asunción

Jejui 667 entre O´Leary y 15 de Agosto