A Gestão Estratégica do Conhecimento como Instrumento de Geração de Valor nas Instituições Privadas de Ensino básico: Um Estudo de Caso

Chateaubriand Pinto Bandeira-Junior, Catarina de Medeiros-Bandeira, Lucas Borchartt-Bandeira, Alejandro Martins-Rodriguez

Resumen


Notadamente, as instituições de ensino básico no Brasil, assim como outras instituições educacionais, têm enfrentado constantes desafios provocados por mudanças no ambiente organizacional. Desse modo, o objetivo deste trabalho foi estudar a Gestão Estratégica do Conhecimento como instrumento de valor em uma instituição privada de ensino básico. A pesquisa desenvolvida foi qualitativa. O universo do estudo foi constituído por uma escola de ensino básico da cidade de Campina Grande no estado da Paraíba. A abordagem desenvolvida nesse trabalho foi qualitativa e o enfoque utilizado foi exploratório-descritivo. Para a coleta de dados foi realizada uma entrevista semi-estruturada com os colaboradores e observações de campo. Os resultados encontrados na pesquisa destacaram a necessidade de valorização na subjetividade das pessoas no contexto organizacional. Conforme tais resultados, tornou-se emergente o conceito do indivíduo como colaborador organizacional, onde o produto das atitudes do colaborador é fruto dos seus processos cognitivos, tais como: inteligência, competência, experiência, capacidade, motivação, socialização, liderança entre outros fatores cognitivos que vão surgindo no seu cotidiano organizacional. Pelas nossas observações e conclusões, o comportamento do colaborador, enquanto um agente ativo da organização faz com que ambos (colaborador e organização) saiam ganhando em termos de benefícios intrínsecos.

Palabras clave


Capital Intelectual, Organização, Educação

Citas


Angeloni, M. T. (2008). Organizações do Conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva.146.

Beltrame, M. B.; Moura, G. R. S. (2009). Edificações escolares: infra-estrutura necessária ao processo de ensino e aprendizagem escolar. Travessias, v. 3, n. 2.147.

Choo, C. W. A. (2003). Organização do Conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac.

Colenci junior, A.; Spigolon, A.L.; Prezoto, M.A.G.; Sáes, M.E.L. (2008). Gestão estratégica das instituições de ensino superior: uma contribuição ao melhor desempenho no caso brasileiro. Recuperado de http://www.cps.sp.gov.br/pos-graduacao/workshop-de-posgraduacao-e-pesquisa/anais/2008/comunicacao-oral/formacao-tecnologica/agestaoestr ategica.pdf.

Cunha, N.; Viana, C. (2005). As práticas gerenciais e suas contribuições para a capacidade de inovação em empresas inovadoras. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Davenport, T; Prusak L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Dias, E. C. M.; Theóphilo, C. R.; Lopes, M. A. S. (2010). Evasão no ensino superior: estudo dos fatores causadores da evasão no curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes – MG. In: CONGRESSO USP DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE, 7., São Paulo. Anais... São Paulo: Êxito.

Edvinsson, L; Malone, M. S. (1998). Capital intelectual: descobrindo o valor real de sua empresa pela identificação de seus valores internos. São Paulo: Makron Books.

Ferasso, M; Saldanha, J. A. V. (2011). Gestão do conhecimento aplicada em instituições de ensino superior: o caso da associação catarinense de fundações educacionais. Revista GUAL, Florianópolis, p.51-69.

Ferreira, B.F. (2009). Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Brasília: Ipea.

Francini, W.S. (2002). A gestão do conhecimento: conectando estratégia e valor para a empresa. RAE-eletrônica, v. 1, n. 2, jul-dez.

Laville, C.; Dionne, J. A. (1999). Construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte: UFMG.

Lima, R. F. O. (2011). Gestão Estratégica de Pessoas - uma Ferramenta Poderosa. VIII SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Resende/RJ.

Marques, J. H. V. L.; Palmeira, E. M. (2011). Capital intelectual como diferencial competitivo nas organizações. In: Contribuciones a la Economia. Recuperado de http://www.eumed.net/ce/2011b.

Nadai, F. C; Calado, L. R. O. (2015). Conhecimento como recurso estratégico: caracterizando uma organização intensiva em conhecimento (OIC). VIII SEMEAD. Recuperado de http://sistema.semead.com.br/8semead/resultado/an_resumo.asp?cod_trabalho=391.

Nonaka, I; Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. (4ta. ed.). Rio de Janeiro: Campus. 358p.

Nonaka, I; Takeuchi, H. (2008). Gestão do Conhecimento. Porto alegre: Bookman.

Oliveira, J.M.; Beuren, I.M. (2003). O tratamento contábil do capital intelectual em Empresas com valor de mercado superior ao valor Contábil. Revista Contabilidade & Finanças - USP, São Paulo, n. 32, p. 81 - 98, maio/agosto.154.

Paiva, S. B. (2005). Abordagem gerencial do capital intelectual em uma organização baseada em conhecimento: o caso SEBRAE-PB. 406f. Tese (Doutorado em Adminstração). Universidade Federal da Paraíba.

Probst, G.; Raub, S.; Romdhardt, R. (2002). Gestão do Conhecimento - os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Bookman.

Rodrigues, L. S. (2003). Os indicadores engajamento organizacional dos indivíduos na perspectiva da gestão do conhecimento. 275f. Tese (Doutorado em Engenharia da Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC.

Rossato, M. A. (2002). Gestão do Conhecimento: a busca da humanização, transparência, socialização e valorização do intangível. Rio de Janeiro: Interciência.

Sampaio, H. (2011). “O setor privado de ensino superior no Brasil: continuidades e transformações”. Campinas: Revista Ensino Superior UNICAMP, v. 2, n. 4.156.

Stewart, T. A. (1998). Capital intelectual. (6ta. ed.). Rio de Janeiro: Campus.157.

Terra, J. C. C. (2005). Gestão do Conhecimento: o grande desafio empresarial; inclui o modelo das sete dimensões da gestão do conhecimento. (5ta. ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 175p.158.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


INDEXADA EN:

 

ISSN IMPRESO:          2225-5117

ISSN ELECTRÓNICO: 2226-4000

 

Dirección de Investigación y Postgrados. Universidad Autónoma de Asunción.
6to. Piso. Sede Central Jejui e/ O´Leary y 15 de Agosto. Asunción-Paraguay.
Tél: 595 21 495873. E-mail: informacion.cientifica@uaa.edu.py