A influência das Novas Tecnologias na linguagem e na escrita dos alunos da Educação Profissional Integrada ao Ensino Básico na modalidade de Jovens e Adultos do Instituto Federal de Sergipe/Brasil

Elizabeth Azevedo Souza, Antonio Hernández Fernández

Resumen


Este estudo analisou a influência das novas tecnologias na linguagem e na escrita dos alunos do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA), do Instituto Federal de Sergipe. Trata-se de uma pesquisa exploratória e qualitativa, cuja coleta de dados deu-se a partir de levantamento bibliográfico sobre o tema, aplicação de questionários, entrevistas semiabertas e observação da relação ensino-aprendizagem. Dentre os resultados encontrados, pôde-se observar que a maioria dos professores considera que o uso das metodologias ativas e internet influenciam positivamente na aprendizagem dos estudantes, contribui na formação e dá motivação à autoaprendizagem. Observou-se também que o tipo de avaliação possibilita a verificação de aprendizagem e que a maioria dos professores tem habilidade para lidar com a diversidade dos alunos, estimulando leitura, interpretação e escrita, com abordagem de situações vivenciadas no cotidiano do discente. Em relação aos alunos, a maioria afirma que a internet é a principal fonte de pesquisa para realizar suas tarefas e considera que o conteúdo da internet contribui na elaboração de texto. São fatores incentivadores para cursar o PROEJA: a formação inicial e continuada, exigência do mercado de trabalho e melhoria da qualidade de vida.


Palabras clave


Novas tecnologias; Educação de Jovens e Adultos; Aprendizagem

Citas


Brasil. Decreto n. 5.840, de 13 de julho de 2006. Institui, no âmbito federal, o Programa Nacional de Integração Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA, e dá outras providências. Brasília, DF-Brasil. Disponível em: .

Bourdieu, P. (1977). L'économie des échanges linguistiques. Langue Français. Linguistique et Sociolingustique, vol. 34, Nº 1, pp. 17-34, 1977. Traduzido por Paula Montero, Brasil.

Carvalho, A. Sid, A.; Menezes, B.; SANTOS, C.; Silva, G. (2007). Arte, Letramento e Tecnologias: Recursos de Aprendizagem e Motivação no Ensino Fundamental. TCC/UnB, Brasília-Brasil, pp. 7-8.

Fernández, A. y Camargo, C. (2016). Neurociencia y Tecnología em la Inclusión Educativa. Granada-España, Gami Editorial, pp. 52-54; 242.

Fernández, A. y Camargo C. (2015). Fundamentos de Metodologia Didáctica. Valencia-Espanha, Editorial Olélibros, pp. 47, 109-115.

Ferreiro, E. e Teberosky, A. (2007). Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre-RS, Brasil. Editora Artmed, p. 17.

Freire, P. (2011). Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 14 edição, rev.atual. São Paulo-SP-Brasil, Editora Paz e Terra.

Freire, P. (2001). A Educação na Cidade. São Paulo-Brasil, 5ª. ed. Cortez.

Freitag, R. e Fonsega E. (2006). Uma análise sociolingüística da língua utilizada na internet: implicações para o ensino de língua portuguesa. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo-SP, Brasil, LAEL/PUC-SP.

Frigoto, G. e Giavatta, M. (Org.) (2006). A formação do cidadão produtivo: a cultura do mercado no ensino médio técnico. Brasília, DF. INEP.

Hernández, R.; Collado, C. y Lúcio, M. (2010). Metodologia de Investigación. Mexicana. 5ª ed. Editorial, Reg. Núm. 736.

Lèvy, P. (2010). Cibercultura. (Trad. Carlos Irineu da Costa). São Paulo, Brasil. Editora 34, pp. 159-160;175.

Libâneo, J. (2006). Didática. São Paulo, Brasil: Editora Cortez, p. 54.

Libâneo, J. (2006). Democratização da escola pública – a pedagogia crítico-social dos conteúdos, 21º edição, São Paulo, Edições Loyola, p. 12.

Markoni, M. ; Lakatos, E. (2006) Fundamento de Metodologia Científica. São Paulo, Brasil. Atlas, 6. edição.

Martínez, F.; Hernández, A. e Leyva, A. (2014). Una perspectiva global de la educación multicultural. Propuestas de intervención desde un estudio de caso. In: Revista Internacional de Investigación en Ciencias Sociales Vol. 6 Nº 2. Asunción, Paraguai. Disponível em: . Acesso em: 25/08/2015.

Mollica, M. (2003). Da linguagem coloquial à escrita padrão. Letras, 2003, Rio de Janeiro, Brasil. Disponível em:< http://www.scielo.br/cgi-bin/wxis.exe/iah/>. Acesso em: 25/08/2015.

Moreira, M. (2010). O que é afinal, aprendizagem significativa? Cuiabá, MT-Brasil. UFMG, p. 8. Disponível em:< http://moreira.if.ufrgs.br/oqueeafinal.pdf>. Acesso em 22/09/2016.

Oliveira, M. (1997). Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo, Brasil, Editora Scipione, p. 42.

Saviani. (1994). O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. Petrópolis-RJ, Brasil. Ed. Vozes.

SETEC - Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/setec-secretaria-de-educacao-profissional-e-tecnologica>. Acesso em 25/08/2015.

Torres, J.; Hernández, A. e Camargo, C. (2013). Aspectos Fundamentais da Pesquisa Cientifica. Granada, Espanha. Ediciones Adeo, pp. 22-29.

Vygotisky, L. (1989). Pensamento e Linguagem. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotisky, L.; Luria, A. e Leonliev. A. (2001). Linguagem, desenvolvimento e Aprendizagem. São Paulo, Brasil. Ícone.

White, M. (2010). Questões de escrita em textos espontâneos produzidos por estudantes do PROEJA. Dissertação de Mestrado, pp. 22-23, UFAL, Alagoas-Maceió, Brasil.

Zilberman, R.; Silva, E. (orgs). (2005) Leitura: por que a interdisciplinaridade? In: Leitura: perspectivas interdisciplinares. São Paulo-SP, Brasil. Editora Ática.

Zorzi, J. (2003) Aprendizagem e Distúrbios da Linguagem escrita. Questões clínicas e educacionais, São Paulo, Brasil. Editora Artmed, p. 57.111


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Dirección de Investigación y Proyectos
Universidad Autónoma de Asunción

Jejui 667 entre O´Leary y 15 de Agosto