Escola Indígena Pataxó da Jaqueira em Porto Seguro BA: uma análise da organização estrutural e sua influência na aprendizagem

Janete Neves Almeida

Resumen


Este  artigo tratará breve relato acerca da educação indígena no Brasil, sua trajetória dando ênfase ao processo de lutas que os indígenas tiveram no decorrer dos tempos e ainda buscam garantir o direito a uma educação específica, diferenciada e intercultural garantida pela legislação vigente no Brasil, expondo as diferença entre educação indígena e educação escolar indígena, a organização estrutural da escola  e a sua influência na aprendizagem dos discentes que são inseridos na escola indígena da Reserva da jaqueira localizada no município de Porto seguro- Bahia- Brasil. Sabe-se  que quando se pensa em uma educação escolar voltada para a área indígenas faz-se necessário analisar também sua organização curricular e pedagógica seja formada de diferentes maneiras onde a mesma possa responder as necessidades e os anseios de cada povo, e esssa mesma diferença deva ser alicerçada de forma que todos pensem em uma educação organizada, de boa qualidade e voltada para a vitalização e o resgate da cultura, pois sabe-se que nas últimas décadas surge no Brasil inúmeras iniciativas de políticas públicas voltada para a causa indígena, pois o goveno vem adotando medidas que promovem a equidade e a inclusão desses povos.


Palabras clave


Educação indígena; diferenciada; organização; estrutura

Citas


Amoroso, M. e Ferreira, K. (2001) (org) A mudança de hábito: catequese e educação para índios nos aldeamentos capuchinhos. Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. 2. ed. São Paulo: Global.

Bergamachi, M., Zen, D. e Xavier, F. (2012). Povos Indígenas e Educação. 2.ed.-Porto alegre.

Bomfim, A. (2012) Patxohã, “Língua de guerreiro”: um estudo sobre o processo de retomada da língua Pataxó. Dissertação (Mestrado em Estudos Étnicos e Africanos) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador. https://pib.socioambiental.org/pt/povo/pataxo/print. Acessado em 16/10/2016

Brasil. (1996) Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, n. 9.394, de 20 de dezembro. Disponível em: http://portal.mec.gov.br Acessado em 16/04/2015

Brasil. (1990)Constituição 1988. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Organização do texto por Juarez de Oliveira. 4. ed. São Paulo: Saraiva. 168 p. (Série Legislação Brasileira)

Camargo, D. & Albuquerque, J. (2003) Projeto pedagógico Xavante: tensões e rupturas na intensidade da construção curricular. Cadernos CEDES [online]. 2, vol.23, n.61, p. 338-366. ISSN 0101-3262. Disponível em:. http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v23n61/a06v2361.pdf Acessado em 27/02/2017

Florencio, L. & Werwering, S. (2012) Povos Indígenas da América Latina . Povo Akawê Xerente B.H-MG:Editora:Rona,2012

Ferreira, M. & Silva, A. (2001) A educação escolar indígena: um diagnóstico crítico da situação no Brasil. Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. 2. ed. São Paulo: Global.

Kanatyo, P. (2013) A Pedagogia da Lente do nosso olhar e as mãos da natureza. Povo Pataxó da aldeia Muã Mimatxi: Belo Horizonte : FAE/UFMG.

Lopes, S. e Egrupioni, L. (1995). A Temática na Escola Indígena na escola. Novos subsídios para professores de 1° e 2° graus. Global, Brasília, MEC:MARI:UNESCO

Ministério da Educacão (1998) Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC.

Padilha, R. (2003) Projeto político pedagógico. Revista Pátio, n° 25, fevereiro a abril.

Ribeiro, D. (1977). Os Indios e a Civilização, 2a . edição. Petrópolis: Vozes


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Dirección de Investigación y Proyectos
Universidad Autónoma de Asunción

Jejui 667 entre O´Leary y 15 de Agosto