Inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais na escola regular: Um olhar sobre a formação docente

Ivone Miranda dos Santos Menezes, José Antonio Torres González

Resumen


Esse artigo discute a inclusão escolar, com ênfase na formação docente, a partir do seguinte questionamento: Sabe-se que é crescente a matrícula de alunos com necessidades educacionais especiais na escola regular, mas será que o professor está preparado para garantir a aprendizagem desse público? Quais são as principais necessidades desse profissional na escola inclusiva? Tem como objetivo. Identificar as principais necessidades dos professores da educação básica em relação à inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais em um colégio estadual de Itabuna/Bahia-Brasil. Utilizaram-se os seguintes instrumentos para coleta de dados: questionário para professores e gestores; análise do Projeto Político Pedagógico da escola, dos planos de aula e observação sistemática das práticas, atitudes, comportamentos e falas dos docentes.  O estudo apresenta uma abordagem qualitativa e quantitativa e configura-se como uma pesquisa descritiva. O foco da investigação foi direcionado para um Colégio público de Ensino Médio, situado na cidade de Itabuna- Ba/Brasil. Esse estudo de caso teve como suporte teórico vários autores, dentre os quais destacamos: Sassaki (2003), Adorno (1995), Mantoan (2004) e documentos da política educacional brasileira. Os resultados aqui apresentados revelaram que a principal necessidade do professor é a formação específica para trabalhar com alunos com NEE.


Palabras clave


Formação docente; inclusão escolar; necessidades educacionais especiais

Citas


Adorno, T. (1995). Educação – para quê? In: Kadelbach, Gerd. Theodor Adorno: Educação e Emanciapação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

Ainscow. M. (1995). Educação para todos: torná-la uma realidade. In: Ainscow, M et al (Orgs.). Caminhos para as escolas inclusivas. Lisboa: Ministério da Educaçao.

Arantes, V. (Org.) (2006). Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus.

Bardin, L. (1977) Análise de Conteúdo.Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro.Lisboa: Ed. Presses Universitaires de France.

Bernardes, A. (2000). Da integração à inclusão, novo paradigma. Recuperado de:.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgado em 05/10/ 1988.

Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDBEN nº 9.394/ 1996.

Brasil. Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial. Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de Setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF. Recuperado de

Magalhães, R. (2006). Processos Formativos e Saberes Docentes em Tempos de Inclusão: Apontamentos a partir de Contribuições da Educação Especial. In Silva, A.M.M. Novas subjetividades, currículo, docência e questões pedagógicas na perspectiva da inclusão social. Recife: Bagaço.

Mantoan, M. (2004b). O direito à diferença nas escolas – questões sobre a inclusão escolar de pessoas com e sem deficiências. Revista do centro de educação de São Paulo. Recuperado de http://coralx.ufsm.br/revce/ceesp/2004/01/r2.ht.

Mazzota, M. (2005). Educação especial no Brasil: História e políticas públicas. (5a ed). - São Paulo: Cortez.

Omote, S. Formação do Professor de educação especial na perspectiva da inclusão. In: Barbosa, R.L.L. (2003). (Org.) Formação de educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: UNESP.

Sassaki, R. (2003). Pressupostos da educação inclusiva. In: Educação inclusiva: conceito e prática. Palestra.

Sassaki, R. (2003). Pressupostos da educação inclusiva. In: Educação inclusiva: conceito e prática. Palestra

Costa, V. (2002). Produção do conhecimento na educação dos indivíduos com deficiência. In: Movimento - Revista da Faculdade de educação da Universidade Federal Fluminense. Niterói: EdUFF.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Dirección de Investigación y Proyectos
Universidad Autónoma de Asunción

Jejui 667 entre O´Leary y 15 de Agosto