CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO DE QUALIDADE PELOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO

Marcos Antonio Bardosa

Resumen


O tema qualidade na educação brasileira tem sido abordado por vários segmentos sociais.Ele pode ser visto pela ótica da adequação de melhores metodologias para alcançar antigosobjetivos instrucionais ou em detrimento de um currículo em mudança. É um conceitoligado a concepções diferenciadas das pessoas. Este estudo apresenta uma reflexão pormeio de uma pesquisa realizada em uma Escola Estadual e respaldada na literatura tendocomo objetivo maior na elaboração do texto: Analisar as concepções dos professores daEscola de Referência em Ensino Médio Severino de Andrade Guerra em Machados – PEem relação à Educação de Qualidade, bem como, suas contribuições ao colocar o estudantecomo protagonista do seu próprio aprendizado. Os estudos realizados têm como base emartigos já publicados e obras literárias de diversos autores e demostrou que a qualidade daeducação envolve um conjunto de variáveis, intra e extraescolares, que interferem naqualidade da educação, entre as quais: a formação acadêmica do professor, a concepção doque o professor, a ausência da família no processo educativo. Desta forma chegou-se àconclusão a qualidade da educação necessita ser encarada de forma sistemática pelosistema de educação, combatendo os entraves que impossibilitam de alcançar melhoresresultados na aprendizagem dos estudantes em todo o seu conjunto. Em contrapartidaaconselha-se que a escola promova ações que envolvam a participação da família dentro doseu espaço e ofereça condições ao professor de se reciclar tecnologicamente.

Citas


Aguiar, W.J. De; Brito, R.A. de; e Tenório, A.C. (2012). Reprovação escolar e

implicações para a promoção de uma educação como direito. VI Colóquio

Internacional Educação e Contemporaneidade. São Cristóvão SE-Brasil.

Almeida, M.E. (2000). Informática e formação de professores. Brasília: Ministério da

Educação.

_______. (2004).O educador no ambiente virtual: concepções, práticas e desafios.

Fórum de Educadores. São Paulo: SENAC.

Alonso, M. (1998). O papel do diretor na administração escolar. Rio de Janeiro:

Bertand Brasil.

Alves, N. (Org.). (2001). Formação de professores: pensar e fazer. São Paulo: Cortez.

Araújo, M.C.M. (2009). Gestão escolar. Curitiba: IESDE.

Bavaresco, I.; e Roque, J.A. (2012). Gestão democrática e participação dos docentes.

Unoesc & Ciência – ACHS, Joaçaba, v. 3, n. 2, p. 141-152.

Blasis E.; Falsarella A.M.; e Alavarse, O.M. (2013). Avaliação e Aprendizagem:

Avaliações externas: perspectivas para a ação pedagógica e a gestão do ensino.

Coordenação Eloisa de Blasis, Patricia Mota Guedes. – São Paulo: CENPEC:

Fundação Itaú Social, 48p.

Borba, M.C.; e Penteado, M.G..(2001). Informática e Educação Matemática-coleção

tendências em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

Brandão, C.R. (2002). A educação popular na escola cidadã. São Paulo: Editora Vozes.

Brasil. (1988). Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal,

Centro Gráfico.

______. (1996). Senado Federal. Lei de Diretrizes de Bases da Educação Nacional: Lei nº

, 20 de dezembro. Brasília: Subsecretaria de Edições Técnicas

______. (1997). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares

Nacionais- PCN. Brasília: MEC; SEF.

______. (2011). Projeto de Lei PNE - Portal Planalto - Presidência da República.

Brasília.

Campoy, T.J. (2016). Metodología de la Investigación científica: Manual para

Elaboración de Tesis y Trabajos de Investigación. Assunción, Paraguay: Ed.

Marben.

Carneiro, G.R. da S.; Martinelli, S.; e Sisto, M. (2003). Autoconceito e dificuldades de

aprendizagem na escrita. Psicol. Reflex. Crit., 2003, vol.16, no.3, p.427-434.

Chechia, V.A.; e Andrade, A. dos S. (2002). Representação dos pais sobre a escola e o

desempenho escolar dos filhos. Disponível em:

/1470/represent_pais.pdf >. Acesso em 02 de abril de 2018.

Cortelazzo, I.B.; e Romanowski, J.P. (2006). Pesquisa e Prática Profissional –

Materiais Didáticos. Curitiba: IBPEX, 2006.

Dourado, L.F. (Orgs). (2007). A qualidade da educação: conceitos e definições = The

quality of education: concepts and definitions/Luiz Fernando Dourado

(Coordenador), João Ferreira de Oliveira, Catarina de Almeida Santos. – Brasília:

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 65 p. (Série

Documental).

Dourado, L.F.; Oliveira J.F.de. (2009). A qualidade da educação: perspectivas e desafios.

Cad. Cedes, vol.29,n.78, p.201-215. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?

script=sci_arttext&pid=S0101-32622009000200004. Acesso em: 08 de abril de 2018

Formosinho, J. (1991). Formação contínua de professores: Realidades e perspectivas.

Aveiro: Universidade de Aveiro.

Freitas, D.N.T. (2007). Avaliação e gestão democrática na regulação da educação básica

brasileira: uma relação a avaliar. Educação e Sociedade v.28, n.99, p.501-521.

Freitas L. José de. Santos, Z. M. M. de L. (2018) As avaliações externas do estado de

Pernambuco: resultados e paradoxos. V Congresso Nacional de Educação. Olinda -

PE de 17 a 20 de Outubro.

Freire, P. (2002). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São

Paulo: Paz e Terra.

Gadotti, M.(2010). Qualidade na educação: uma nova abordagem. Instituto Paulo Freire;

/Série Cadernos de Formação. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire.

Gil, A.C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

______. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Gramsci, A. (2004). Cadernos do cárcere, volume 2. 3 ª Ed. Rio de Janeiro: Civilização

Brasileira.

Guimarães, W.S. (2006). Formação de professores: Saberes, identidade e profissão. 3.ºed.

São Paulo: Papiros.

Haydt. R.C. (2008). Avaliação do processo de Ensino-Aprendizagem. 6 ed. São Paulo:

Editora Ática.

Hoffmann, J. (2004). Avaliação Mito & Desafio: uma perspectiva construtivista. 34. ed.

Porto Alegre: Mediação.

INEP, ENADE. (2017). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Disponível mhttp://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/mec-einep-divulgam-resultados-do-enade-2017-e-indicadores-de-qualidade-da-educacaosuperior/21206. Acesso em 12 de janeiro de 2019.

Kalinke, M.A. (1999). Para não ser um professor do século passado. Curitiba: Gráfica

Expoente.

Kenski, V.M. (2007). Educação e Tecnologias: O novo ritmo da Informação. 6. ed. São

Paulo: Papirus.

______. (2001). O papel do professor na sociedade digital. In: Castro, A.D. de;

Carvalho, A.M.P. de (org.). Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental

e média. São Paulo: Pioneira Thompson Learning.

Jacomini. M.A. (2009). Reprovação escolar na opinião dos pais: um estudo sobre os

ciclos e a progressão continuada na Rede Municipal de Ensino de São Paulo. SP.

Tese de Doutorado.

Jordão, T.C. (2009). Formação de educadores: a formação do professor para a educação

em um mundo digital. In: Tecnologias digitais na educação. Disponível

mhttp://novoensinomedio.mec.gov.br/?fbclid=IwAR2F8SCzf26Mp60Zgoh1sILYXt

L6uwoOy4hLOKdl7RSKGwu05HiDNkF8kdw#!/pagina-inicial. Acesso em 12 de

dez. 2108.

Lakatos, E. M.; Marconi, M. de A.(2003). Fundamentos de metodologia científica. 5. ed.

São Paulo: Atlas, .

Leite, L.S. (Coord.). (2003). Tecnologia educacional: descubra suas possibilidades na sala

de aula. Petrópolis: Vozes.

Libâneo, J.C. (2004). Organização e gestão da escola: Teoria e prática. Brasilia Ed.

Alternativa.

_______. (2005). Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo:

Papirus.

_______. (2015). Licenciatura em Pedagogia: a ausência dos conteúdos específicos do

ensino fundamental. São Paulo: UNESP.

Lima, L.C. (2002). Organização escolar e democracia radical: Paulo Freire e a

governação democrática da escola pública. 2 ed. São Paulo: Cortez.

Lopes, A.R.L. (2009). Aprendizagem da docência em matemática. Passo Fundo: Ed.

Universidade de Passo Fundo.

Luckesi, C.C. (2001). Avaliação da Aprendizagem: estudos e proposições. 22. ed. São

Paulo: Cortez.

______. (2003). Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e

recriando a prática. Salvador: Malabares Comunicação e Eventos.

Ludke, M.; e André, M.E.D. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São

Paulo: EPU.

Magedanz, A.; Herber, J.; Silva, M.C. de A. (2016). Destaques Acadêmicos. Lajeado, v. 8,

n. 4, p. 8-20.

Martins, Z.I.; e Pereira, L.L. (2002). A identidade e a crise do profissional docente . In:

I. Brzezinski (Org.). Profissão professor: identidade e profissionalização

docente (p. 113-132). Brasília: Plano.

Melchior, M.C. (1998). O sucesso escolar através da avaliação e da recuperação. Novo

Hamburgo: sed.

Méndez, J.M.À. (2002). Avaliar para Conhecer, Examinar para Excluir. Tradução Magda

Schwartzhaupt Chaves. Porto Alegre: Artmed.

Moran, J.M. (2000). Novas tecnologias e mediação pedagógica. São Paulo: Papirus.

Morin, E. (2006). Introdução ao Pensamento Complexo. Tradução do francês: Eliane

Lisboa - Porto Alegre: Ed. Sulina. 120 p.

Moura, R.(2009). Tecnologia da Informação e Educação. Publicidade. Disponível : http://

www.algosobre.com.br/educacao/tecnologia-da-informacao-e-educacao.html.

Acesso 30/12/2018.

Nóvoa, A. (1995). Vidas de Professores. 2. ed., Porto: Editora, Porto.

Paro, V.H. (1996). Eleição de Diretores: A escola pública experimenta a democracia.

Campinas: Papirus.

______. (1997). Gestão democrática da escola pública. Ática: São Paulo.

______. (2001). Gestão Democrática da Escola Pública: Participação da comunidade na

gestão democrática da escola pública. Coleção Educação em Ação. São Paulo:

Ática.

______. (2016). Administração escolar: introdução crítica. 14 ed. São Paulo: Cortez.

Peña, M. de L.D.J. (2004). Ambientes de aprendizagem virtual: O desafio á prática

docentes. In: I Fórum de Educadores – Educador Virtual. São Paulo. I Fórum de

Educadores – Educador Virtual. São Paulo: SENAC.

Perrenoud, P. (2000). Dez Novas Competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed.

Piletti, N. (1999). Psicologia Educacional. São Paulo: Ática.

Prodanov, C. C.; Freitas, E.C. de (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2ª. ed. Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul - Brasil: Feevale.

Ramos, A.T.A. (org.) (2009). Os desafios da Família nos Processos de Socialização

Escolar. Revista Pedagógica, nº 52, p.32-35.

Resnick, M. (2006). Repensando o Aprendizado na Era Digital. In: Workshop: Scratch e

Cricket: Novos ambientes de aprendizagem e de criatividade Bradesco Instituto de

Tecnologia. Campinas: Disponível em: https://llk.media.mit.edu/papers/rethinkport.

doc. Acesso em: 16 de jul. 2018.

Rezende, F. (2002). As novas tecnologias na prática pedagógica sob a perspectiva

construtivista. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências Volume 02/Número 1

– Março. Disponível em: www.fae.ufmg.br/ensaio/v2n1/ flavia.PDF. Acesso em:

de set. de 2018.

Sampieri, R.H.; Collado, C.H.; e Lucio, P.B. (2006). Metodologia de Pesquisa. 3ª edição.

São Paulo. McGraw-Hill.

Santos, J.G. (2008). História da avaliação: do exame à avaliação diagnóstica. V Semana

Acadêmica da UFU. São Paulo: Ática.

Silveira, C.L.A. da; e Ferron, A.(2012). Reflexões sobre a avaliação externa no contexto de

uma rede municipal de ensino: elemento para pontuar a qualidade na educação. IX

ANPED SUL. Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul.

Souza. M.E. do P. (2009). Família/escola: a importância dessa relação no desempenho

escolar. Programa de Desenvolvimento Educacional PDE. Disponível em:

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1764-8.pdf. Acesso em

de jan./19.

Tancredi, R.M.S.P. (1998). Globalização, qualidade de ensino e formação docente.

Ciênc. educ. (Bauru) vol.5 no. 2 Bauru.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. São Paulo: Editora Vozes

Limitada.

Távora, M.T. (2003). Evolução e crescimento de pais e filhos: Mudanças necessárias

nessa relação. PSICO 34(1), 23-38.

Tedesco. J.C. (Orgs.).(2004). Educação e novas tecnologias. Tradução de Claudia

Berliner, Silvana Cobucci Leite. São Paulo. Cortez.

Tiba, I. (1996).Disciplina, limite na medida certa. 1ª Ed. São Paulo: Editora Gente.

Vieira P. (2005). Conceito de Tecnologia. v.1.Rio de Janeiro. Contraponto.

Veiga, I.P.A. (1997). Inovações e projeto político-pedagógico: Uma relação regulatória

ou emancipatória? Revista Educação e Sociedade, v. 23, n. 61, p. 267-281.

______. (2007). Perspectivas para reflexão em torno do projeto político pedagógico.

In: Veiga, Ilma Passos Alencastro; Resende, Lúcia Maria Gonçalves de. Escola: espaço do projeto político pedagógico (p. 9-32). 12. ed. São Paulo: Papirus.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.