As diferenças existentes nas duas escolas de arco para Contrabaixo Acústico

Lidio Roque da Silva

Resumen


O presente artigo tem como foco as diferenças existentes nas duas escolas de arco: a escola de arco francesa e a escola de arco alemã para contrabaixo acústico, serão abordados os pontos de divergências e convergências, entre as escolas analisando as dimensões de conhecimento sobre cada escola de arco, será abordado as suas metodologias e concepções em relação ao uso do arco em cada escola. Procurando investigar suas contribuições relevantes para a área de ensino e aprendizagem no instrumento.


Palabras clave


Pedagogia do Instrumento; Ensino e Aprendizagem; Contrabaixo; Escola de arco.

Citas


Billê, I. (1965). Nuovo método per contrabasso corde, vol ll. Corso teórico - prático. Italia. Ed. G Ricorde & C.

Buccarella, L. (1973). Contrabasso solo. CDB. Phonogram. São Paulo. Editora Matiz Gráfica.

Borém, F., Santos, R. (2002). Práticas de performance erudito populares no contrabaixo: técnicas e estilos de arco e pizzicato e três obras da MPB. In: Revista Musica Hodie Volume 3. Disponível em:. Acesso 20 Fev. 2017.

Candé, R. (1989) A música linguagem, estrutura, instrumentos, arte e comunicação. Lisboa. Ediçoes 70.

Dourado, H. (1999). O arco dos instrumentos de cordas. São Paulo. Edicon, 2 ed.. Disponível em: http://www.vitale.com.br/sistema/produtos/produto.asp?codigo=36305. Acessado 22 fev. 2017

Ferreira, E., Ray, S. (2006). Planejamento de arco na prática orquestral: considerações e aplicações em grupos semiprofissionais. XVI congresso. ANPPOM> Brasília. Disponível em http://antigo.anppom.com.br/anais/anaiscongresso_anppom_2006/CDROM/COM/06_Com_Perf/sessao0b2/06COM_Perf>. Acessado em 01 mar. 2017

Grout, D., Palisca, C. V. (2001) Historia da música ocidental 2 ed.. Lisboa. Ed. Gravida.

Negreiros, A. (2003). Perspectivas pedagógicas para iniciação ao contrabaixo no Brasil. Dissertação de Mestrado. Goiana. Universidade Federal de Goiás.

Salles, M. I. (1998). Arcadas e Golpes de arco: A questão da técnica violinística no Brasil. Proposta de definição e classificação de arcadas e Golpes de arco. Brasília. Thesaurus.

Silva, V. R. (2007). Breve histórico da trajetória e contribuição artística de Giovanne Bottesine (1821 – 1889). Revista eletrônica Aboré. Edição 03. Manaus AM. Disponível em < http://www.revistas.uea.edu.br/old/abore/artigos/artigos_3/Roger%20da%20Silva%20Vargas.pdf. > Acessado em 02 Mar. 2017

Simandl, F. (1948). New Method for string bass parte ll. New York. Ed. By Waldoly Man International Music Company.

Strechier, L. (1977). My way of playing double bass: vol l. Austria. Doblinger.

Planyavsk, A. (1984) Geschichte des contrabasses. Tutzing. Hans Schneider.

Trumpf, K. Bowing Technique For the Double Bass. Vol. l. Leipzig. Verlag.

Ray, S. (2001). As phases wornup Exercises de Diana Gannet: apresentação e Extensão ás cordas orquestrais. Per Music (UFMG), Belo Horizonte. Disponível em < http://www.musica.ufmg.br/permusi/port/numeros/04/num04_cap_06.pdf> acessado em 02 Mar. 2017.

Vasconcelos, J. (2002). Acústica musical e organología. Porto Alegre. Ed. Movimento

Fontes Audivisuais

Bradetich, J. (1998) Doubles Bass Techinique with Jeff Bradetich (VHS - NTSC). Texas. Denton.

Mc Tier, D. (1992) Doubles Bass Techinique vol. l. Escocia. SATU production.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Dirección de Investigación y Proyectos
Universidad Autónoma de Asunción

Jejui 667 entre O´Leary y 15 de Agosto